Three decades later… Evolution of immigrant incorporation policies in Portugal: A new reading

Beatriz Padilla, Thais França

Abstract


This article discusses the evolution of Portuguese immigrant incorporation policies, from 1980s to 2018. Migrants’ incoporation policies have become part of the national public agenda only recently, however, throughout this period of 30 years, many significant changes have been registered. We argue that even if advances have taken place, there is no single solid, continued and coherent strategy of the Portuguese State, changes have been advancing in one direction but at two different speeds. The difference in speeds may be associated with existing pressures arising from civil society, the European Union and the State’s own convictions about what policies should be. We focus on two differen types of incorporation policies to argue that while nationality policies have moved forward, anti-discrimination policies have been less progressive and assertive. To show this, we critically analyze the evolution of legislation (decrees & laws) and the official programs of the Portuguese government in these two fields of incorporation policies.


Keywords


incorporation, migration policies, Portugal, regulation

Full Text:

PDF

References


Baganha, M. I. (1994). As correntes emigratórias portuguesas no século XX e o seu impacto

na economia nacional. Análise Social, XXIX, 128, 959-980.

Baganha, M. I. (2000). La emigración portuguesa después de la Segunda Guerra Mundial. En

A. C. Pinto (org.), Portugal Contemporâneo. (pp. 187-204) Madrid, Sequitur.

Baganha, M. I. (2005). Política de imigração: A regulação dos fluxos. Revista Crítica de Ciências Sociais, 73, 29–44.

Baganha, M. I., y Góis, P. (1998). Migrações internacionais de e para Portugal: o que sabemos e para onde vamos? Revista Crítica de Ciências Sociais, 52–53, 229–280.

Baganha, M. I., y Sousa, U. (2005). Portugal. In R. Baubock, E. Ersboll, K. Groenendijk, & H. Waldrauch (Eds.), Acquisition and Loss of Nationality: Polices and Trends in 15 European States (pp. 435-476) (Vol. 2). Amesterdam: Imiscoe.

Carreiras, H., Malamud, A., Padilla, B., Xavier, M., Bússola, D. (2007). Do fado ao tango: a emigração portuguesa para a Região Platina, Sociologia Problemas e Práticas 54, 49-73.

Castelo, C. (2011). “O modo português de estar no mundo”: o luso-tropicalismo e a ideologia colonial portuguesa: 1933-1961. Porto: Edições Afrontamento

Cazallo, A.; Meñaca, I.; Lechuga, J.; Medina, H.; Uribe,C. y Barragán, C. (2019). Modeling foreign investment received in the Colombian oil sector during the period 1996-2016. Revista Espacios, 40 (20), 13–23.

CERD, Comité das Nações Unidas para a Eliminação da Discriminação Racial. (2015). Examen de los informes presentados por los Estados partes en virtud del artículo 9 de la Convención.

Costa Lobo, M. (2007). Portugal: extended voting rights and decreasing participation. En International IDEA (Ed.), Voting from Abroad. En The Handbook (pp. 83–87). Sweden: International Institute for Democracy and Electoral Assistance.

Costa, P. (2016). A política portuguesa de integração dos imigrantes: uma análise dos dois primeiros planos de integração. En. B. Bäckström, P. Manuel Costa, R. Albuquerque, L. Sousa (Eds), Políticas de igualdade e inclusão: reflexões e contributos (pp. 32–59). Lisboa: CEMRI/Universidade Aberta.

Diário de Notícias. (2018). Mais um exemplo de discriminação racista e xenófoba.

Recuperado de: https://www.dn.pt/portugal/interior/mais-um-exemplo-de-discriminacao-racista-e-xenofoba-9523721.html

Diário de Notícias. (2018). Conselho da Europa quer discriminação racial no exercício de

cargo público como crime. Recuperado de:

https://www.dn.pt/pais/interior/organismo-europeu-quer-discriminacao-racial-no-exercicio-de-cargo-publico-como-crime-9937503.html

DNotícias. (2018). Portugal é um país com manifestações de racismo e xenofobia.

Recuperado de: http://www.dnoticias.pt/pais/portugal-e-um-pais-com-manifestacoes-de-racismo-e-xenofobia-AD3621741#

Domenech, E. E. (2007). La agenda política sobre migraciones en América del sur: el caso de la Argentina. Revue européenne des migrations internationales, 23(vol. 23-n°1), 71–94.

ECRI, European Comission Against Racism and Intolerance. (2018). Relatório da ECRI sobre Portugal - quinto ciclo de controlo. Strasbourg. Recuperado de: https://rm.coe.int/fifth-report-on-portugal-portuguese-translation-/16808de7db

Faist, T. (2009). Diversity – a new mode of incorporation? Ethnic and Racial Studies, 32(1), 171–190.

FitzGerald, D., David Cook-Martín, A. S. G. y Rawan, A. (2017). Can you become one of us? A historical comparison of legal selection of ‘assimilable’ immigrants in Europe and the Americas, 44, 27-47, Journal of Ethnic and Migration Studies

França, T. (2017). Reflexões sobre o II Plano para a Integração dos Imigrantes (2010-2013) a partir dos estudos de gênero e feministas. En J. Azevedo, B. Padilla, T. França (Eds.), Migrações Internacionais e Políticas Públicas Portuguesas (pp. 115–132). Lisboa: Mundos Sociais

Freixo, A. (2009). Minha Pátria É A Língua Portuguesa: A Construção Da Ideia Da Lusofonia Em Portugal. Rio de Janeiro, Brazil: Apicuri

Hammar, T. (1985). European Immigration Policy: A Comparative Study. Cambridge University Press

Hernández, R., Fernández, C., y Baptista, P. (2014). Metodología de la investigación. México: Mc Graw Hill.

Horta, A. P., y Gonçalves de Oliveira, M. P. (2014). Integration Polices - Portugal Country Report (INTERACT RR 2014/18). Robert Schuman Centre for Advanced Studies

Houtkamp, C. (2015). Beyond Assimilation and Integration: The Shift to ‘National’ and ‘Transnational’ Inclusion. Acta Universitatis Sapientiae. European and Regional Studies, 8, 73–87

Maeso, S., y Araújo, M. (2013). A quadratura do círculo: anti(racismo), imigração e a(s) política(s) da integração em Portugal nos anos 2000. Oficinas Do Ces, 407

Mármora, L. (2002). Las políticas de migraciones internacionales. Buenos Aires: Organización Internacional para las Migraciones: Paidós

Martiniello, M. (2006). Towards a coherent approach to immigrant integration policy(ies) in the European Union.

Moraes, I. A. de, y Aguiar, M. H. P. de. (2018). A integração do imigrante no Brasil em uma perspectiva comparada com Canadá: o caso dos haitianos. Interfaces Brasil/Canadá, 18(1), 95–115.

Oliveira, A. T. R. de, y Oliveira, A. T. R. de. (2017). Nova lei brasileira de migração: avanços, desafios e ameaças. Revista Brasileira de Estudos de População, 34(1), 171–179.

ONU, Organizaciones de las Naciones Unidas. (2004). Report of the Committee on the Elimination of Racial Discrimination - Sixty-fifth session. Recuperado de: https://www.refworld.org/docid/45c30b360.html

Padilla, B. (2017). Políticas públicas e imigrações. En J. Azevedo, B. Padilla, T. França (Eds.), Migrações Internacionais e Políticas Públicas Portuguesas (pp. 7–29). Lisboa: Mundos Sociais

Padilla, B., y França, T. (2016). Migration policies and institutional frameworks. Development and evolution in Portugal. Comparative Cultural Studies - European and Latin American Perspectives, 1(1), 37–52

Padilla, B., y Ortiz, A. (2012). Fluxos migratórios em Portugal: do boom migratório à desaceleração no contexto de crise. Balanços e desafios. REMHU : Revista Interdisciplinar Da Mobilidade Humana, 20(39), 159–184.

Padilla, B., y Ortiz, A. (2017). Políticas migratórias. O acesso à nacionalidade como instrumento de cidadania em Portugal. In B. Padilla, J. Azevedo, & T. França (Eds.), Migrações Internacionais e Políticas Públicas Portuguesas (pp. 91–115). LIsboa: Mundos Sociais.

Peixe, B., Rosario, E., Silva, E., Soares, P., Kumar, R., Ralha, T., y Santos, T. (2008). O Racismo e a Xenofoia em Portugal (2001-2007). Oeiras: Numena.

Peixoto, J. (2004). País de emigração ou país de imigração? Mudanças e continuidades no regime migratório em Portugal. Socius Working Paper, 2.

Público. (2018).Em Portugal "não somos racistas, mas como todos os outros temos

preconceitos”. Recuperado de: https://www.publico.pt/2018/07/05/sociedade/entrevista/a-integracao-tambem-depende-da-vontade-das-pessoas-1836857

Público. (2018). Queixas de racismo e xenofobia batem recordes em Portugal. Recuperado

de: https://www.publico.pt/2018/08/23/sociedade/noticia/queixas-de-racismo-e-xenofobia-batem-recordes-em-portugal---1841723

Público. (2018). Ensino da História portuguesa não pode ignorar a violência cometida contra

os povos das ex-colónias. Recuperado de:

https://www.publico.pt/2018/10/03/sociedade/noticia/ensino-da-historia-portuguesa-nao-pode-continuar-a-ignorar-a-violencia-cometida-contra-os-povos-das-excolonias-1846066

Público. (2018). Polícia tolera racismo e denúncias não são investigadas a fundo.

Recuperado de: https://www.publico.pt/2018/10/02/sociedade/noticia/conselho-da-europa-quer-orgao-independente-a-investigar-violencia-policial-e-racismo-1845960

Público. (2018). MAI vai dar explicações no Parlamento sobre relatório do Conselho da

Europa sobre racismo. Recuperado de:

https://www.publico.pt/2018/10/03/sociedade/noticia/mai-vai-dar-explicacoes-no-parlamento-sobre-relatorio-do-conselho-da-europa-sobre-racismo-1846109

Público. (2017). A justiça em Portugal é “mais dura” para os negros. Recuperado de

https://www.publico.pt/2017/08/19/sociedade/noticia/a-justica-em-portugal-e-mais-dura-para-os-negros-1782487

Público. (2017). Portugal é dos países da Europa que mais manifestam racismo.

Recuperado de https://www.publico.pt/2017/09/02/sociedade/entrevista/portugal-e-dos-paises-da-europa-que-mais-manifesta-racismo-1783934

Ramos, R. (2007). A renovação do Direito Português da nacionalidade pela Lei Orgânica n.o2/2006, de 17 de Abril. Revista de Legislação e Jurisprudência, 198–233.

Santos, I. (2014). A Junta Nacional de Emigração e a política de emigração no Estado Novo. (Tese doctoral no publicada) Faculdades de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, Lisboa.

Rosário, Ed., Santos, T., y Lima, S. (2011). Discursos do Racismo em Portugal: Essencialismo e Inferiorização nas Trocas Coloquiais sobre Categorias Minoritárias. Observatório da Imigração, ACIDI, I.P.

Santos, V. (2004). O discurso oficial do estado sobre a emigração dos anos 60 a 80 e a imigração dos anos 90 à actualidade. Lisboa, Portugal: ACIDI, I.P.

SEF, Serviços de Estrangeiros e Fronteiras .(2017). Relatório de Imigração, Fronteiras e Asilo. Relatório Anula de Imigração. Lisboa, Portugal: Serviço de Estrangeiros e Fronteiras. Recuperado de: https://sefstat.sef.pt/Docs/Rifa2017.pdf

Sic Notícias. (2018). Aumenta número de queixas de racismo e xenofobia em Portugal.

Recuperado de: https://sicnoticias.sapo.pt/pais/2018-08-23-Aumenta-numero-de-queixas-de-racismo-e-xenofobia-em-Portugal

Sic Notícias. (2018). Conselho da Europa preocupado com "tolerância ao racismo" da

polícia portuguesa. Recuperado de: https://sicnoticias.sapo.pt/pais/2018-10-02-Conselho-da-Europa-preocupado-com-tolerancia-ao-racismo-da-policia-portuguesa

Sobral, J. M. (2007). Cidadania, nacionalidade, imigração: um breve historial das suas inter-relações com referência ao caso português. In I. Caravalhais (Ed.), Cidadania no Pensamento Político Contemporâneo (pp. 137–163). Estoril: Principia.

Zapata-Barrero, R., Caponio, T., y Scholten, P. (2017). Theorizing the ‘local turn’ in a multi-level governance framework of analysis: a case study in immigrant policies. International Review of Administrative Sciences, 83(2), 241–246.




DOI: https://doi.org/10.29105/pgc6.11-8

Contador de visualizaciones:

  • Abstract : 246 vistas.
  • PDF : 67 vistas.
  • Refbacks

    • There are currently no refbacks.


    Creative Commons License
    This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.


    Licencia de Creative Commons
    Esta obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-SinObraDerivada 4.0 Internacional

    UNIVERSIDAD AUTÓNOMA DE NUEVO LEÓN - UANL, Campus Mederos Ave. Praga y Trieste s/n Col. Residencial Las Torres, C.P. 64930. Monterrey, México. Revista Política, Globalidad y Ciudadanía. Tel: (52)- 8183294000

    Licencias